PORQUE ESCOLHER PORCELANATO

Uma tendência de mercado. Disponível em diversos acabamentos e formatos.

Produzido com matérias-primas especiais, resistência ao gelo e a ácidos, alta durabilidade quando comparado às pedras naturais e outros tipos de materiais, cores uniformes e totalmente impermeáveis.

Esmaltado

O porcelanato esmaltado assim como o Técnico também possui alta resistência mecânica, mas a diferença é que, como o próprio nome já diz, ele recebe esmalte na superfície.

O acabamento da superfície pode ser natural, que varia de acordo com o produto e para as áreas externas temos porcelanatos mais ásperos.

Lapado

Quando a peça cerâmica possui diferentes relevos é feito apenas o polimento nas partes altas da peça o que cria o brilho tão intenso apenas em partes da superfície da placa cerâmica mesclando áreas polidas e não polidas

Não se trata de um polimento pleno então o brilho resultante não tem tanta intensidade, fica semelhante ao brilho de pedras desgastadas naturalmente.

Polido e natural

O porcelanato técnico é dividido em dois tipos, o polido e o natural. O processo de fabricação para ambos é o mesmo, os corantes e matérias primas são acrescentadas na própria massa, o que permite aquela aparência de peça única. A diferença real é que o polido recebe polimento ao final do processo, já o natural não, ficando com o acabamento fosco e rústico.

Rústico

O porcelanato rústico é um revestimento de fácil manutenção, em sua maioria são impermeáveis e resistentes a manchas, reproduzem esteticamente a aparência de uma pedra, madeira, cimento e etc. Quase sempre constituído em relevo, uma superfície irregular, o que acaba o tornando antideslizante.

Lapidado (Retificado)

Produto que passa por uma etapa a mais no processo de produção, deixando o produto mais esquadrejado, já que suas laterais são retificadas.

A grande vantagem é que, com essa especificação, ele proporciona um assentamento praticamente sem junta, condição ideal para um projeto ficar esteticamente elegante.

 

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Sacada: Tendência de Mercado

As sacadas deixaram de ser meros mirantes e passam a ter status de área de lazer dentro dos apartamentos. Antenados nesta nova tendência o mercado imobiliário oferta cada vez mais imóveis com estes espaços.

Amplas ou pequenas estes ambientes fazem a alegria dos moradores pela versatilidade, podendo ser a extensão da sala ou um espaço gourmet. “Pensamos na família reunida num jantar ou uma reunião com os amigos, mas aliamos a preocupação ambiental até nos momentos de lazer”, diz Luiz Fernando Lucho do Valle, engenheiro e presidente da Ecoesfera, as varandas dos empreendimentos Ecolife têm a churrasqueira limpa como diferencial.
Este modelo de churrasqueira se diferencia pelo sistema de aquecimento a gás e a substituição do carvão vegetal por rocha vulcânica que além não produz fuligem, prepara mais rápido o churrasco. “Não utilizar o carvão ajuda a reduzir a derrubada de árvores que é a matéria prima do carvão”, conclui do Valle.

Fonte: Revista SIM

Posted in Construção Civil, Geral | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Tijolos Ecológicos

De acordo com Oscar Neto (2010), o tijolo constrói a casa do rico e do pobre. Ele é a matéria-prima básica na maioria das construções do país. É conhecido apenas por tijolo, mas há alguns anos mais uma palavra foi acrescentada ao seu nome: ecológico. Em tempos de aquecimento global, o tijolo ecológico ou tijolo modular destaca-se por não poluir.

Foi na década de 1940 que se desenvolveu a tecnologia da fabricação de tijolos ecológicos. No Brasil, somente depois da década de 1970 é que se passou a produzir tijolos de baixo custo utilizando processos de fabricação menos agressivos ao meio ambiente.

Os tijolos ecológicos são assim chamados por permitirem o uso de areia, resíduos de usinas siderúrgicas e petroquímicas que, através do emprego de cimento e água, geram peças padronizadas e altamente resistentes. Por não usar o barro vermelho (matéria-prima tradicional dos tijolos convencionais), evita-se também a degradação do meio ambiente causada por sua extração. A grande vantagem logística destes tijolos é que podem ser fabricados e armazenados na própria obra.

Outra vantagem referente à questão ecológica é que o processo de produção dos tijolos não necessita de fornos. Este fato gera grande economia energética e evita que muitas florestas sejam destruídas para a obtenção da lenha. Os tijolos ecológicos, ou tijolos de solo cimento como também são conhecidos, servem para todos os padrões sociais e vem sendo cada vez mais difundidos. Mas as vantagens não são apenas para o meio ambiente, são também para o conforto, para a estética e o mais interessante, para o bolso.

Segundo estudos realizados em todo o Brasil, o sistema construtivo dos tijolos ecológicos traz para a obra, de 20 até 40% de economia com relação ao sistema construtivo convencional. Um dos motivos é que não há desperdício, como neste último. “Hoje em uma obra convencional cerca de 1/3 do material vai para o lixo” (OSCAR NETO, 2010).

Ainda para o autor citado acima, existem algumas vantagens desta tecnologia construtiva, dentre as quais podemos citar:

  • Diminui o tempo de construção em 30% com relação a alvenaria convencional, devido aos encaixes que favorecem o alinhamento e prumo da parede;
  • Estrutura – As colunas são embutidas em seus furos, distribuindo melhor a carga de peso sobre as paredes.
  • Redução de uso de madeiras nas caixarias dos pilares 3. e vigas em quase zero;
  • Economia de 70% do concreto e argamassa de assentamento;
  • Economia de 50% de ferro;
  • Os Tijolos Ecológicos são curados com água e sombra, diferente dos tijolos convencionais que dependem da queima de milhares de lenhas queimando em fornos e contribuindo demasiadamente com o aquecimento global e com desmatamentos;
  • Durabilidade maior do que o tijolo comum, pois chega a ser até 6 x mais resistente;
  • Alivia o peso sobre a fundação evitando gastos desnecessários com estacas mais profundas e sapatas maiores;
  • Fácil acabamento. Se preferir não precisa rebocar e pintar, economizando mais ainda. Os Tijolos Ecológicos já possuem um lindo acabamento, semelhante aos tijolos aparentes, necessitando o uso de apenas um impermeabilizante a base de silicone ou acrílico, e rejunte flexível (varias cores da vedacit e votaran);
  • Revestimento é simples usando-se direto sobre tijolo apenas uma fina camada (5mm) de reboco, textura, gesso ou graffiato;
  • O assentamento dos azulejos é direto sobre os tijolos;
  • Obra mais limpa e sem entulhos;
  • Acústica- como o tijolo ecológico possui dois furos, as paredes formam um isolamento acústico, diminuindo os ruídos provocados na rua para o interior da casa.
  • Isolamento Térmico (calor) – O furo dos tijolos, são importantes pois formam câmaras térmicas evitando com isso que o calor que esta do lado de fora penetre no interior da residência. Com isso a temperatura interna é inferior a externa.
  • Isolamento Térmico (frio) – Com o Frio acontece ao contrario, pois a temperatura da casa fica mais quente do que a externa.
  • Proteção de Umidade – Esses furos também propiciam a evaporação do ar, evitando com isso, a formação de umidade nas paredes e interior da construção, que causa danos à saúde e danos materiais.
  • Instalações Hidráulicas – Toda a tubulação é embutida em seus furos dispensando a quebra de paredes, como na alvenaria convencional.

Instalações Elétricas – Como as instalações hidráulicas, também são embutidas nos furos, dispensando conduites e caixas de luz, podendo os interruptores e tomadas serem fixados, diretamente sobre os tijolos.

Fonte: http://www.sebrae.com.br/setor/construcao-civil/acesse/ideias-de-negocios/

Posted in Construção Civil, Geral, Sustentabilidade | Tagged , , , , , , | Leave a comment

Dicas para a sua Cozinha

Distribuição
Se a área para cozinha é pequena, pode-se condensar o espaço dos componentes essenciais, como pia, bancada, refrigerador e fogão, alinhando-os em uma parede para permitir a circulação. Nesse caso, a pia ficará entre o fogão e o refrigerado.

Nas cozinhas compridas ou estreitas, pode-se ocupar duas paredes, uma em frente à outra, no arranjo dos equipamentos principais. A alternativa é bem funcional, desde que numa parede fique a bancada com a pia e, na oposta, os outros itens.

Os ambientes em forma de “U” ampliam os espaços, facilitando a locomoção. Neste caso, a pia deve ser isolada junto à parede adjacente a outras duas, mantendo a área central destinada à circulação, permitindo aumentar o espaço ocupado por armários.

Com o desenho em “L” as áreas são mais bem aproveitadas. Recorre-se às duas partes adjacentes como centros de trabalho, deixando livre o resto do local para a circulação. É possível também a colocação de armários e a criação de um cantinho para refeições.

Outra solução é a “ilha”, quando o lugar for espaçoso. Ela pode conter armários, bancadas, ou então formar um grande conjunto com pia, fogão, prateleiras e refrigerador. Entre as formas de distribuição para concepção de uma “ilha”, encontram-se as cozinhas em “L” e em “U”.

Luz e ventilação
Uma boa iluminação e ventilação conferem conforto e praticidade à cozinha. A iluminação natural é indispensável: a janela deve ficar sobre a pia, entre os armários superiores e a bancada. Ela funcionará como um ponto de partida importante, mas, obviamente, sem substituir a concepção da luz artificial. Caso não haja incidência de raios solares sobre a bancada da pia, pode-se instalar uma lâmpada fluorescente direcionada sobre o local. A luz fria é indicada também para o teto, com vantagem de não emitir calor nem gerar sombras.

Para obter uma boa ventilação, o relacionamento entre portas e janelas é fundamental. Se arquitetura permitir, as saídas de ar devem estar constantemente viradas para o exterior da residência, impedindo o acúmulo de gordura nos ambientes vizinhos. Essa relação entre portas e janelas não pode comprometer as correntes de ar.

Posted in Decoração, Geral | Tagged , , , , , , | Leave a comment

Cerâmica Verde

Cerâmica verde recicla lâmpada fluorecente e cinza de olaria

Detalhe das pastilhas pigmentadas com cinzas

A fabricante de pisos e pastilhas Lepri, de Tambaú/SP, inova na produção desde 2005, ao reciclar vidros de lâmpadas fluorescentes e cinzas de olarias e fundições para produzir revestimentos cerâmicos.

“Eu acho que a cerâmica é o melhor e maior caminho para a reciclagem de vidro, borra de cimento e areia de fundição” disse José Lepri proprietário e ceramista da empresa.

Além de reciclar o vidro das lâmpadas fluorescentes, o médoto contribui como aumento da velocidade na retração do esmalte e acelera o processo de fundição da massa cerâmica, o que faz com que o material fique menos no forno o que, consequentemente, gasta menos energia e gera menos emissões.

“O vidro pode ser usado como fundente ou como esmalte”, disse Lepri, “o que contribui com o processo de fabricação da cerâmica”.

O processo foi desenvolvido pelo ceramista, que estudou na Itália, Alemanha e Japão e já foi incorporado às práticas de algumas empresas ceramistas italianas.

Outra novidade da empresa é o uso de cinzas de madeira, que são um subproduto de cerâmicas, olarias e fundições para a fabricação de um esmalte biológico, destinado à pigmentar a linha de ecopastilhas da empresa.

“O esmalte a base de cinzas é muito antigo, foi um dos primeiros descobertos pelo homem”, afirma o ceramista. “Estamos retomando essa tecnologia”.

Segundo Lepri, as cinzas são misturadas à base do esmalte e dão a cor à mistura, que podem ser de diferentes tonalidades de acordo com a origem das cinzas.

No desenvolvimento dessa tecnologia, a empresa quer consolidar o conceito “slow ceramic”, uma adaptação do movimento “slow food”, que propõe que a fabricação da pastilha, pigmentada pelo esmalte biológico, seja feita de forma lenta.

“Com essa tecnologia, pretendemos destinar corretamente um material que normalmente é um problema para as empresas geradoras”, afirmou o ceramista.

O processo demorou cerca de dois anos para ser estruturado e em 2006 recebeu o prêmio Planeta Casa, oferecido pela revista Casa Cláudia

Posted in Geral, Sustentabilidade | Tagged , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Dicas para o seu Banheiro

Sempre que o espaço permitir, o ideal é termos, além dos banheiros de uso da família,  um LAVABO, que é um banheiro sem chuveiro, box ou banheira, que serve principalmente as visitas que não devem penetrar na parte privada da casa. A decoração deste ambiente deve ser mais caprichada, usando materiais mais nobres. Nele é permitida alguma dramaticidade, como paredes escuras , iluminação cênica, etc. Ele pode ser bem pequeno mas deve atender as necessidades básicas, ser bonito e confortável.  Se não existir este espaço, é importante pensar no banheiro mais próximo da área social para executar esta função. Nele deve haver maior preocupação com a elegância e sofisticação dos elementos usados e use compartimentos fechados para não deixar visíveis acessórios ou produtos de uso particular dos moradores.

Qualquer ambiente e principalmente o banheiro (fonte de um grande número de acidentes) deve ser planejado considerando a faixa etária, hábitos e número de usuários.

Um banheiro deve servir a no máximo 2 dormitórios; Se não for possível, divida-o de forma que mais pessoas possam usar ao mesmo tempo.

Banheiros em quartos (SUITE) devem ser pensados  considerando o uso conjunto pelo casal.

Banheiros para bebês e crianças devem ser adaptados para suas necessidades e tamanho. O ideal é que o banheiro para o bebê tenha soluções que possam ser modificadas facilmente para acompanhar o seu crescimento.

Banheiros pequenos devem ter boa iluminação, cores claras, design mais clean. Uma só cor nas paredes e teto aumenta o ambiente. Espelhos ou materiais que refletem a luz também são bem vindos.

Por menor que seja e quanto maior for, este deve ser um ambiente também de relaxamento. Logo, a decoração e disposição dos itens deve considerar isso: Revisteiros, plantas, quadros, som, são bem vindos quando bem colocados e nunca “entulhando” o espaço.

Saunas e ofurôs só quando o espaço permitir. Além disso, um ofurô quando cheio pesa muito e é preciso avaliar se a base suporta esta carga. E também há todos os equipamentos (casa de máquinas, aquecedor, bomba de hidromassagem, filtro d´agua, instalação elétrica especial, etc)  que devem ser instalados por especialistas.

Aparelhos eletrônicos devem ser resistentes à umidade, assim como as madeiras. Mesmo assim, o melhor é instalá-los o mais longe possível de fontes de vapor. Para sua segurança, qualquer aparelho plugado em tomada deve ficar longe da água.  A tomada deve ficar próximo ao espelho para secador, barbeador, etc.

Porta-toalhas próximo à pia, box e banheira.

Portas de correr ou sanfona ajudam muito a ganhar espaço em pequenos banheiros. Assim como duchas higiênicas (a 60 cm do chão, na lateral do vaso) ao invés de bidê.

Um item extremamente importante é a ventilação e exaustão junto às banheiras e chuveiros, para evitar umidade excessiva.

Bancada com armário baixo para guardar de maquiagem, escovas, pentes, etc. Se possível, um armário sobre a pia, para objetos de higiene pessoal. É  mais prático ter acesso direto à pia e ao vaso, que são mais usados que o chuveiro.

Ralos devem ter tampas  fáceis de remover. Cuidado com a furação de paredes para colocação das práticas prateleiras – Consulte o projeto hidráulico para não romper canos. Impermeabilização é crucial em um banheiro para não lhe trazer problemas de infiltrações.

A iluminação é importante: Se houver luz à frente do espelho esta não deve iluminá-lo, mas sim a pessoa que o usará. Esta iluminação  não deve ser fluorescente comum pois esta muda as cores na maquiagem, por exemplo. O ideal é luz amarela (não branca) nos 2 lados do espelho.

Posted in Decoração, Geral | Tagged , , , , , , , , | 2 Comments

Agilidade na Obra

Posted in Construção Civil, Faça Você Mesmo, Geral | Tagged , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Faça Você Mesmo – Troque a Resistência do Chuveiro

Quem não tem dúvidas na hora de trocar a resistência do chuveiro? Ter em mãos alguns procedimentos básicos pode ser a salvação na hora do banho, principalmente com a chegada do frio. Após verificar se não é um problema no disjuntor ou na parte elétrica da residência, é necessário seguir alguns passos para evitar danos ao produto e até mesmo choque elétrico. Para isso, preparamos um passo-apasso com dicas que vão desde a avaliação do problema até a remontagem do chuveiro, passando pela limpeza do espalhador e checagem de vazamento.
São orientações que com certeza vão ajudar as donas e donos-de-casa.
Material necessário
- chave-de-fenda
- alicate de bico ou universal
- escova de dentes (velha) para limpeza
- conector de fios
- fita veda-rosca
1. Antes de checar se a resistência do chuveiro está mesmo queimada, desligue a chave geral ou disjuntor. Esse passo é muito importante, pois evita os choques.
2. Inicie a desmontagem do chuveiro. Os de plástico são mais fáceis, basta desenroscar a parte de baixo, também chamada de espalhador.
3. Retire a resistência queimada e substitua pela nova. A queimada apresenta rompimento na espiral. A nova terá a espiral em ordem. Siga sempre as instruções do fabricante, discriminadas na embalagem.
4. Aproveite para limpar o espalhador com a escova de dentes. Limpe as partes interna e externa e enxágüe em água corrente. Atenção: não utilize objetos pontiagudos, que possam alterar o diâmetro dos furos, nem produtos abrasivos.
5. Monte o chuveiro novamente e parafuse bem. É importante não deixar folgas pa-ra evitar vazamento. Organize os fios e prenda-os no conector de fios. Passe a fita veda-rosca, de duas a três a voltas, na extremidade do tubo do chuveiro.
6. Antes de religar a chave geral, abra o chuveiro e deixe a água fria escorrer por uns dois minutos. Assim, garante-se a água de reserva necessária no bojo do chuveiro para não queimar a resistência. Verifique se não há vazamentos por má vedação. Religue a chave geral do quadro de força ou o disjuntor, dependendo da instalação elétrica de sua residência.
Posted in Dicas do Dico, Faça Você Mesmo, Geral | Tagged , , , , , , , , , , , , , | 2 Comments

Espaço Gourmet

Para quem gosta de cozinhar e, ao mesmo tempo, reunir os amigos para servir pratos bem caprichados, deve conhecer as vantagens do espaço gourmet, um novo conceito de cozinha adotado pelos proprietários de imóveis de alto padrão.

A proposta é integrar os amigos e a família, ao mesmo tempo em que é possível preparar alimentos deliciosos sem precisar ficar isolado na cozinha.

O espaço gourmet transforma o simples ato de cozinhar em um evento de culinária, constituindo um ambiente aconchegante e sofisticado, onde preparar alimentos se torna um hobby.

ENTRE AMIGOS
Enquanto prepara um prato saboroso, o anfitrião tem a oportunidade de ficar próximo aos convidados que podem se acomodar em torno das panelas e até ajudar no preparo da comida. Quem cozinha vira o centro das atenções e, assim, todos têm a possibilidade de curtir uma gostosa reunião e um bom bate-papo. Além disso, neste espaço é possível demonstrar os dotes culinários aos amigos e elevar a culinária a um patamar especial de gastronomia.

UM ESPAÇO A MAIS
O espaço gourmet não elimina a cozinha do dia-a-dia; consiste em um novo ambiente, geralmente localizado próximo à sala de estar, que acomoda uma bancada e todos os equipamentos de uma cozinha convencional. Os utensílios se tornam objetos de decoração e tudo o que existe de mais moderno em equipamentos e eletrodomésticos pode ser instalado, como home theaters, computadores ou televisão com tela de plasma. Neste conceito o que importa é ficar perto dos amigos e, ao mesmo tempo, ter tudo à mão: geladeira, fogão, cook tops (fogão vitrocerâmico elétrico), forno de pizza, microondas, churrasqueira, geladeira de vinhos, grelhas, panelas, travessas, louças, copos, talheres e tudo o mais que a imaginação permitir.

CONFORTO E SOFISTICAÇÃO
O espaço gourmet tornou-se a extensão da sala de estar e por este motivo uma decoração bonita e charmosa é fundamental na criação do ambiente. É possível adaptar este novo conceito a um imóvel já existente e, dessa forma, o estilo de decoração pode variar e se adequar aos outros cômodos da casa. O projeto prevê funcionalidade e adaptação das instalações elétricas, hidráulicas e exaustão com coifas ou depuradores de ar.

“O espaço gourmet, além de reunir as características de uma cozinha propriamente dita, deve proporcionar conforto aos convidados. O ambiente deve concentrar um espaço para a convivência das pessoas, como sofás, jogos, TV e música. Decoração clean e charmosa são essenciais para criar um ambiente harmonioso e aconchegante”, explica a arquiteta paulistana Débora Aguiar, que realiza há 16 anos projetos no Brasil e nos Estados Unidos.

Enfim, a integração completa entre a sala e a cozinha virou sinônimo de convívio e de aproximação entre as pessoas. “Este é um conceito que muitas residências estão adotando. É uma tendência muito forte hoje, porque é um ambiente integrado”, comenta a designer de interiores de São Paulo, Ângela Tasca, que atua na área há 27 anos.

Fonte: http://www.revistaresidenciais.com.br/det_materia.asp?id=49&ids=28

Posted in Decoração, Geral | Tagged , , , , , , , , , | Leave a comment

Construção de Piscinas

O verão é a estação que tem dias mais agradáveis, alternados com outros mais quentes. Portanto, quem tem uma piscina em casa, já pode começar a curtir os fins de semana com merecidos mergulhos.
Esse lazer tão prazeroso também está ao alcance dos que não têm piscina em casa, pois ainda está em tempo de se fazer um investimento a obra poder ser concluída em até 15 dias, se tudo correr sem imprevistos.
Mas, um detalhe: só se for uma piscina de vinil. Como é feita em alvenaria armada estrutural, o processo de construção se torna bem simples. Prática também é a colocação do revestimento de vinil.

Ele é estendido na piscina, fixado na borda, por meio do perfil de PVC, e amoldado nas paredes.
Por ser construída em um berço de alvenaria leve, a piscina atende a projetos sofisticados, ainda mais que o vinil se encaixa nos mais variados formatos. Isso significa que é possível construir uma piscina de vinil que, em um mesmo projeto, reúna curvas, retas, profundidades diferentes e ângulos ousados.
A piscina pode ser totalmente personalizada. Dá até para construir uma espécie de clube dentro de casa, a começar pela prainha, que é uma área da piscina, em média com 20 cm de profundidade, propícia para o banho de sol dentro d’água. O aquabar, que são bancos em inox com a bancada em alvenaria, garante um bom bate-papo entre amigos. Para o lazer ficar completo, a sauna acoplada à piscina e a hidromassagem proporcionam um agradável relaxamento.

O investimento é bem planejado. A verba que em outras piscinas é destinada ao concreto armado, nas de vinil é aplicada nos mais variados complementos que garantem todo esse conforto.

A Estampa Azulejo de Murano é a primeira estampa com visual todo azulejado. Traz a aparência e o formato do USE E ABUSE DO SOL azulejo ao fundo da piscina, e a tendência é o vidro na borda, formando o barrado. O barrado, reproduzido por uma técnica italiana, apresenta desenhos de ondas com borbulhas inspiradas nas cores do Mar Mediterrâneo. No fundo são reproduzidos azulejos de tamanho 10 x10 cm, que apresentam uma textura “jaspeada” em tons de azul.

Outra estampa da nova Linha Azulejo é a Estampa Azulejo Total, para quem prefere um estilo mais convencional. Não apresenta barrado na borda, que é toda em azulejo liso.

As piscinas de vinil já representam 35% do mercado, segundo a Associação Nacional de Fabricantes e Construtores de Piscinas e Produtos Afins- Anapp. Os outros 35% são de piscinas feitas em fibra de vidro, e os 30% restantes em concreto armado. As piscinas de vinil conquistaram as áreas de lazer das residências mais nobres, assim como garantiram a participação em mostras de decoração.

Os arquitetos Luciano Baldo, Marco Castro e Gustavo Pinto, profissionais responsáveis pela última edição da Casa Cor Interior – SP, afirmam que a “diversidade e beleza da coleção de estampas do vinil permitem a escolha de padrões que acompanham desde os projetos tradicionais aos mais modernos”. Segundo eles, o vinil não fica a dever a nenhum revestimento e sua versatilidade ainda facilita a construção. “Quanto mais ousado é o projeto, mais o vinil é indicado. Todo arquiteto quer fazer uma obra de arte, e não apenas mais um espaço na casa.

Posted in Geral | Tagged , , , | 1 Comment